14/08/2020

Brasil vive ano histórico em expansão de energia solar

  Voltar
Brasil Energia 

Por Thais Custodio

Mais de 1,5 GW da fonte foram adicionados no primeiro semestre, em meio à pandemia; previsão para os próximos quatro anos é que 12,3 GW entrem em operação

Mesmo com os desafios advindos da pandemia de Covid-19, o Brasil está vivendo o seu melhor ano em termos de expansão da energia solar fotovoltaica, com mais de 1,5 GW instalados até junho. Principalmente devido à geração distribuída, que só no primeiro semestre deste ano adicionou 1,1 GW, dos quais apenas 16 MW não são da fonte solar. Um volume significativo tendo em vista que o segmento demorou mais de seis anos para alcançar o primeiro GW, em junho do ano passado. Na geração centralizada, 532,81 MW entraram em operação comercial nos primeiros seis meses. Enquanto no mesmo período de 2019, foram 294,9 MW.

O volume de módulos fotovoltaicos importados no país no primeiro semestre deste ano foi de 2,49 GW, um aumento de 92% em relação ao registrado no mesmo período de 2019, segundo levantamento da consultoria Greener. A empresa identificou que embora as flutuações abruptas do câmbio neste ano, que afetam o setor pois grande parte dos equipamentos utilizados são importados, tenham impactado o custo dos sistemas, esses foram marginalmente repassados ao cliente final e em muitos casos os preços ficaram estáveis.

Quando comparado ao semestre imediatamente anterior, o volume representa uma redução de 12%, refletindo uma parte dos efeitos da Covid-19 no mercado. Contudo, historicamente, os segundos semestres têm mais instalações de geração distribuída do que os primeiros. Para a segunda metade do ano, a expectativa do setor é de maior crescimento, à medida em que o isolamento social adotado devido à crise sanitária diminui e a reabertura do comércio avança no país. De acordo com a Greener, há um pipeline superior a 1,5 GW de projetos de geração distribuída remota em desenvolvimento, dos quais ao menos 600 MW já possuem contratos firmados com consumidores. “O mercado de GD remota para locação está movimentando mais de R$ 3 bilhões e outros R$ 5 bilhões deverão ser investidos”, disse o diretor da empresa, Marcio Takata.

Há a expectativa também de que a revisão das regras de geração distribuída avance até o fim do ano via Congresso, com a criação de uma lei específica para o segmento, provavelmente mais favorável ao segmento do que a proposta apresentada pela Aneel em outubro de 2019, que gerou uma campanha popular contrária e adiou a decisão da agência. Inicialmente, as novas regras propostas pela agência deveriam ter entrado em vigor no início deste ano. Pela proposta, os créditos gerados seriam gradualmente abatidos sobre menos parcelas da tarifa de energia, até virar desconto apenas sobre o componente da tarifa que remunera a geração. As parcelas que compõe a tarifa referentes ao uso da rede da distribuidora não estariam mais sujeitas ao abatimento de créditos. O andamento da revisão foi impactado pela pandemia, que levou o Congresso a priorizar assuntos relacionados ao combate da Covid-19 e seus efeitos.

A cada mês novos projetos fotovoltaicos que somam centenas de megawatts recebem outorgas da Aneel para serem implantados. Nos próximos quatro anos, 305 parques solares que somam 12,3 GW devem entrar em operação no país. Isso representa 36,94% da potência total outorgada pela agência e faz da solar a fonte com maior previsão de crescimento.

Ao todo, o país já possui 6,24 GW de capacidade instalada de energia solar fotovoltaica, sendo 3,30 GW de geração distribuída e 2,94 GW de centralizada (1,68% da matriz elétrica). A fonte já trouxe ao país mais de R$ 31 bilhões em investimentos privados e gerou cerca de 180 mil empregos acumulados desde 2012, segundo a ABSOLAR. Entre janeiro e julho deste ano, foram mais de R$ 6,5 bilhões em investimentos privados, 41 mil novos empregos e R$ 2,5 bilhões em arrecadação de tributos aos cofres públicos. Com base nesses resultados, a associação está dialogando com o governo federal para que a fonte seja incluída no plano de recuperação econômica do país, o Pró-Brasil, que visa reduzir os impactos socioeconômicos da Covid-19 no período pós-pandemia.

Em meio à alta do dólar, o governo federal, por meio da Câmara de Comércio Exterior (Camex), decidiu zerar as alíquotas do imposto de importação incidentes sobre mais de 110 modelos de equipamentos de energia solar fotovoltaica até o final de 2021. A redução temporária desse tributo, chamada de ex-tarifário, é aplicada quando não há produção nacional equivalente. A lista de ex-tarifários aprovados em resoluções com efeitos a partir de 01/08 inclui módulos fotovoltaicos, inversores, seguidores solares e motobombas.

Essa medida deve reduzir o custo total do sistema fotovoltaico, já que o imposto de importação sobre o módulo no Brasil geralmente é de 12%; e de 14% sobre o inversor. Por outro lado, a medida torna mais difícil para os poucos fabricantes nacionais de equipamentos fotovoltaicos conseguirem competir com os produtos importados. Só restam os tributos PIS e Cofins sobre os importados, enquanto a indústria nacional paga IPI, II, ICMS, PIS e Cofins sobre a grande maioria das matérias-primas e insumos.

Investidores

Muitas empresas sofreram queda na demanda em decorrência da pandemia, mas a Alsol Energias Renováveis, por exemplo, viu suas taxas de vendas mensal e semanal de cotas de usinas solares dobrar em relação à média. Os clientes são majoritariamente de segmentos que são os menos afetados pela crise, como farmácias, supermercados, padarias e açougues. “Nesse momento de crise, todas as empresas estão buscando redução de custos e despesas. Então, temos um produto extremamente atraente, uma vez que estamos oferecendo descontos da ordem de 20% para os clientes, sem qualquer tipo de investimento por parte deles”, disse à Brasil Energia o fundador e CTO da Alsol, Gustavo Buiatti. A companhia, que já investiu R$ 70 milhões neste ano na construção de quatro usinas solares de GD com capacidade total de 20,3 MWp, investirá mais R$ 24 milhões para implantar outras duas usinas em Minas Gerais, que somam 6 MW.

Já o grupo Servtec Energia, apesar da crise, segue com seu objetivo de chegar a 250 MWp de potência instalada de solar distribuída até 2021. “Temos um plano robusto de crescimento, e mesmo em um cenário adverso, fruto do agravamento da pandemia de Covid-19 no mundo, conseguimos construir com nossos parceiros soluções para mitigar os diversos riscos inerentes aos negócios”, afirmou Pedro Fiuza, CEO do grupo. A companhia vai investir R$ 210 milhões até o fim deste ano na construção de 22 usinas de geração solar distribuída em dez estados brasileiros, totalizando 54 MWp. A energia gerada atenderá a contratos de longo prazo com empresas dos setores de telecomunicações, varejo, bebidas e postos de combustíveis.

Cada vez mais grandes consumidores de energia estão fechando contratos de compra de energia solar de longo prazo, como forma não só de diminuir custos, mas também de atingirem suas metas de sustentabilidade. É o caso da Anglo American que firmou contrato com a Atlas Renewable Energy, em março, para obter cerca de 9 TWh ao longo de 15 anos, com início em 2022. O convênio envolve um investimento de R$ 881 milhões para o fornecimento de 70 MW médios de energia para a mineradora através da usina solar Atlas Casablanca (330 MW), localizada em Minas Gerais. O acordo faz parte da estratégia da Anglo American de usar 100% de energia renovável em suas operações no Brasil a partir de 2022. Além de fazer parte do objetivo que a empresa tem de criar uma mina sustentável, para reduzir todas as suas emissões de CO2 em 30% até 2030.

A Atlas Renewable Energy também fornecerá energia solar à multinacional americana Dow, o contrato com prazo de 15 anos, assinado em junho, envolve entrega de mais de 440 GWh por ano, a partir do primeiro semestre de 2021. O suprimento será feito a partir da usina solar Jacarandá, localizada em Juazeiro, na Bahia, que terá capacidade instalada de 187 MWp e atenderá à fábrica da Dow em Aratu (BA). A Dow assumiu o compromisso de utilizar 750 MW de sua demanda de energia a partir de fontes renováveis até 2025. A empresa também tem metas adicionais de redução de sua pegada de carbono, que buscam reduzir suas emissões anuais em 15% no período c de 2020 a 2030. Isso representa uma redução de 5 milhões de toneladas de CO2 nos próximos dez anos.

Perspectiva de longo prazo

A energia solar fotovoltaica deve passar por uma expansão significativa no Brasil nos próximos 30 anos e atingir até 90 GW apenas em geração centralizada, de acordo com o Plano Nacional de Energia 2050 apresentado pelo MME em julho. Na maior parte dos casos avaliados pelo PNE 2050, levando em conta apenas a geração centralizada, a solar fotovoltaica atinge entre 27 a 90 GW em termos de capacidade instalada e entre 8 a 26 GW médios em termos de energia em 2050. Nesse horizonte, a participação da fonte na matriz elétrica atinge em torno de 5% a 16% da capacidade instalada total ou de 4% a 12% em termos de energia total em 2050, sem contar a parcela de geração distribuída fotovoltaica.

Quanto à geração distribuída, cuja capacidade instalada atual é 3,49 GW (dos quais 3,30 GW são de solar), o PNE 2050 projeta que no final do horizonte a modalidade atingirá entre 28 GW e 50 GW, o que representaria um valor de 4% a 6% da carga total. A solar deve continuar liderando o segmento, representando pouco mais de 85% da capacidade instalada no fim do horizonte, por conta da sua modularidade, custo decrescente e difusão da tecnologia entre a sociedade. A análise leva em conta a revisão do mecanismo de compensação para a GD no início da década de 2020, com aplicação de tarifa binômia para novos micro e minigeradores, bem como determinantes econômicos — como o crescimento da renda das famílias e a perspectiva de queda dos custos das tecnologias.
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok