Área de associados Trabalhe no setor solar

Energia do espaço: EUA pretendem capturar energia solar de satélites para Terra em breve

26/04/21 | São Paulo

Reportagem publicada no Sputnik

A energia solar baseada no espaço não será apenas um sonho de ficção científica se depender dos planos da Força Aérea dos EUA. Testes de transmissão de energia do espaço para a Terra podem acontecer dentro de três anos.

O Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL, na sigla em inglês) está desenvolvendo um projeto denominado Demonstrações e Pesquisas Incrementais de Energia Solar no Espaço (SSPIDR, na sigla em inglês), que visa amadurecer a tecnologia necessária para colher energia solar no espaço e enviá-la para uso na Terra. Um experimento de transmissão de energia está programado para ser lançado em 2024.

Tal capacidade seria uma grande vantagem no campo de batalha, disseram oficiais da Força Aérea norte-americana.

“Assegurar que uma base operacional avançada mantenha uma energia confiável é uma das partes mais perigosas das operações militares terrestres. Comboios e linhas de abastecimento são os principais alvos dos adversários”, afirma o narrador de um novo vídeo do AFRL sobre SSPIDR.

De acordo com o vídeo institucional, a energia solar terrestre fica limitada pela área, pelo tamanho dos coletores necessários e pelo clima. E oferece como solução painéis solares em órbita que poderiam ter “acesso irrestrito aos raios do Sol, fornecendo um suprimento ininterrupto de energia”.

De acordo com reportagem do portal Space.com, o AFRL prevê satélites coletores de luz solar equipados com “telhas-sanduíche” inovadoras, que converterão a energia solar em energia de radiofrequência (RF) e a enviarão para a Terra. Aqui, o recebimento de antenas transformará essa energia de RF em energia utilizável.

© Foto / Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL)

Uma representação do projeto de Demonstrações e Pesquisas Incrementais de Energia Solar no Espaço (SSPIDR) do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea, que visa enviar energia solar do espaço para a Terra. O SSPIDR consiste em vários experimentos de voo em pequena escala que irão amadurecer a tecnologia necessária para construir um protótipo de sistema de distribuição de energia solar

Os pesquisadores do laboratório dizem que construirão uma espécie de pavimento em direção a um futuro sistema operacional com uma série de experimentos de solo e voo que devem ajudar a amadurecer as tecnologias necessárias.

Por exemplo, um experimento do SSPIDR, conhecido como Arachne, testará a conversão de energia e a transmissão no espaço usando uma “telha-sanduíche” construída pelo parceiro do projeto Northrop Grumman. O Arachne está programado para ser lançado na órbita da Terra em 2024.

O SSPIDR também inclui experimentos chamados SPINDLE e SPIRRAL, que demonstrarão a implantação orbital de uma versão reduzida de um satélite de transmissão de energia e formas de teste para manter as temperaturas do satélite em uma faixa gerenciável, respectivamente. O SPINDLE está programado para ser lançado em 2023.

E já existe alguma pesquisa de energia solar espacial passando por cima de nossas cabeças. O experimento de voo do módulo de antena fotovoltaica de radiofrequência, ou PRAM-FX, foi lançado a bordo do avião espacial robótico X-37B da Força Espacial dos EUA em maio de 2020.

O PRAM-FX não está transmitindo energia para a Terra, mas está ajudando os pesquisadores a avaliar a eficiência da conversão de luz solar em radiofrequência das “telhas-sanduíche” que recentemente mostraram retornos promissores.