Área de associados Trabalhe no setor solar

Escassez de materiais na indústria fotovoltaica preocupa fabricantes

27/04/21 | São Paulo

Reportagem publicada no Canal Solar

Custo geral dos módulos fotovoltaicos aumentou 35% em todo o mundo desde o segundo semestre de 2020

As principais fabricantes de módulos fotovoltaicos estão preocupadas com o crescimento contínuo do preço de matérias-primas consideradas essenciais para fabricação de módulos solares, como o vidro, o silício e a prata.

De acordo com um comunicado da LONGi Solar, o custo geral dos módulos solares em todo mundo vem crescendo desde o segundo semestre de 2020, devido à disparada de preços dos materiais.

“O custo geral do módulo aumentou cerca de 35% e permaneceu alto, devido aos fortes aumentos de preços dessas matérias-primas”, destaca o documento.

Somente entre os meses de junho de 2020 e fevereiro de 2021, o valor do vidro por metro quadrado subiu cerca de 80% no mercado, enquanto os preços do silício e da prata registraram altas de 64% e 55%, respectivamente, no mesmo período.

Em entrevista a PV Tech, Dany Qian, presidente da Jinko Solar, afirmou que a escassez de material de manufatura solar está se aproximando de um ponto crítico, com o preço do silício subindo continuamente. Para a executiva, o novo aumento na demanda downstream também deve se agravar nos próximos meses.

De acordo com informações da Energy Trend, empresa de pesquisas de mercado solar, o preço mais recente de silício policristalino – de US$ 20,69 por quilograma – representava um avanço de 3,3% na comparação com o mesmo período do ano passado.

No entendimento de Fernando Castro, country manager da JA Solar Brasil, a previsão do setor é de que os preços dos módulos fotovoltaicos cresçam mais de 10% até o final de 2021. “Neste cenário, aliado ao aumento constante do silício, tudo indica que este ano terá aumento de preços constantes, independente de uma eventual redução do mercado indiano, devido ao agravamento do coronavírus”, comentou.