Área de associados Trabalhe no setor solar

Governo de São Paulo projeta maior participação da fonte solar na matriz energética do Estado

30/03/20 | São Paulo

Portal do Agronegócio 

Levantamento mostra que potencial de geração fotovoltaica centralizada da região dobrou em 2019. "O Estado está empenhado na ampliação da energia fotovoltaica. É uma fonte limpa e renovável e conhecemos o potencial dela", afirmou o subsecretário de Infraestrutura da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), Glaucio Attorre.

Entre as iniciativas do governo estadual, está uma usina fotovoltaica flutuante, instalada em parceria com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE). "É um projeto piloto de 100 kilowatts. Estamos colhendo resultados para ter um diagnóstico adequado da viabilidade e, futuramente, implementar uma usina de maior porte", conta Atorre. O empreendimento ocupa uma área de mil metros quadrados do reservatório Billings junto à usina elevatória de Pedreira. Para implantação do projeto foram investidos R$ 450 mil.

Em fevereiro, o SIMA autorizou a construção de usinas de energia solar em estações de tratamento de esgoto nos munícipios de Presidente Prudente, Paraguaçu Paulista e Euclides da Cunha Paulista. De acordo com a secretaria, serão investidos R$ 19,8 milhões nos projetos. "Pensamos que a energia solar atuará de maneira complementar as demais fontes, como gás natural, biomassa e resíduos solídos. Há estudos para ampliar como um todo, melhorando as condições de eficiência e segurança, próximo aos centros de carga", conta o subsecretario.

Ele acredita que com sistemas híbridos eficientes, a necessidade de tecnologias de armazenamento seria minimizada. "Se a intermitência das fontes estiver bem complementada, inclusive com hidrelétricas, talvez nem precisemos de baterias, com exceção de alguns locais remotos. Temos um potencial enorme para as fontes renováveis em todo o Brasil."

Uma pesquisa recente realizada pela equipe técnica da Coordenadoria de Energias Elétricas e Renováveis da SIMA mostrou que o potencial de geração centralizada de energia solar do estado de São Paulo dobrou no ano passado. Em 2018, existiam 12 unidades com capacidade de gerar 151 MW. Já em 2019, o potencial alcançou 301 MW em 21 unidades geradoras.