Área de associados Trabalhe no setor solar

1ª microrrede integrando energia FV, diesel e baterias é colocada em funcionamento no PE

04/12/20 | São Paulo

Reportagem publicada no Canal Solar 

O Grupo Moura, em parceria com o ITEMM (Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura), colocou em funcionamento a primeira unidade de microrrede (migrogrid) híbrida na sede do instituto, na cidade de Belo Jardim (PE).

O projeto explora o potencial de integração da energia fotovoltaica, geração a diesel e armazenamento de energia, atendendo as áreas isoladas com maior eficiência.

A microrrede Moura/ITEMM tem um sistema fotovoltaico de 310 kWp em capacidade instalada, com um BESS (battery energy storage system) de 250 kW / 560 kWh e um grupo gerador de 75 kVA. A bateria associada ao gerador permite o uso diário, incluindo casos específicos, como a falta de energia por muitas horas ou dias.

Segundo o Grupo Moura, o gerador é acionado de forma estratégica, explorando o uso de energia limpa e a menor emissão de poluentes. Isso tudo dentro de um plano de gerenciamento de energia, no qual a energia solar gerada é associada ao armazenamento de energia em baterias. A geração pode pode ser complementada por um gerador a diesel.

De acordo com Luiz Mello, diretor-geral comercial de baterias industriais e BESS, a microrrede Moura/ITEMM oferece benefícios para consumidores de ambos os sistemas, off-grid e on- grid.

“Para os consumidores off-grid, a solução é a que mais apresenta equilíbrio econômico-financeiro e demanda menor área para implementação da infraestrutura necessária, reduzindo também as complicações logísticas de uma solução que consome muito combustível e necessita de reposição constante. Para os consumidores conectados à rede (on-grid), o microgrid permite que os clientes sejam autônomos do ponto de vista energético, podendo desconectar da concessionária quando for conveniente, seja pelo alto custo de um período de ponta, seja pela qualidade ou falta de energia”, destacou Mello.

O projeto se encontra na última fase de implementação e o Grupo Moura prevê que o projeto será um laboratório vivo para ampliar o desempenho e os resultados de soluções para microrredes.